corregedoria.tjrn.jus.br
corregedoria.tjrn.jus.br
corregedoria.tjrn.jus.br

128 TJ

Durante a sessão administrativa do Tribunal de Justiça desta quarta-feira, 1º de julho, o presidente do Poder Judiciário potiguar, desembargador João Rebouças, enfatizou que o TJRN chega como uma instituição transformada, ao completar seus 128 de existência, nesta data. E como não poderia deixar de ser, lembrou dos desafios trazidos pela pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19). Afirmou que o TJRN tem sempre conjugado e tem aprendido o significado do verbo Mudar, no sentido de melhorar sua performance em favor do cidadão, do contribuinte e da justiça.

“Conseguimos dar celeridade em projetos, ações e investimentos que permitiram mais que manter a nossa atividade-fim funcionando, aumentamos a produtividade e colocamos o nosso Poder Judiciário em quarto lugar entre os mais produtivos de igual porte do país, motivo de elevado orgulho para todos que fazem a Justiça Potiguar”, salientou o magistrado durante a sessão. Ele frisou que o TJ norte-rio-grandense enfrenta um de seus maiores desafios em quase 13 décadas de atuação.

O desembargador presidente lembrou que nada disso valeria a pena se não fosse a atuação do maior patrimônio do TJ potiguar: as pessoas. “Nesse contexto, comemorar 128 anos da Justiça Potiguar é muito significativo para os Desembargadores, Juízes de Direito, servidores civis e militares, terceirizados, estagiários e colaboradores que estão de mãos entrelaçadas cumprindo metas e obtendo o reconhecimento do Conselho Nacional de Justiça e da sociedade”, frisou o dirigente do Poder Judiciário do RN.

As palavras do presidente João Rebouças encontraram eco na avaliação dos desembargadores que participaram da sessão por videoconferência. O desembargador Amaury Moura lembra que a instituição começou suas atividades com cinco magistrados, em 1892, com a denominação de Superior Tribunal de Justiça, na época do governo de Pedro Velho.

O desembargador Claudio Santos disse ter orgulho dos colegas que, respeitando sempre as divergências jurídicas e administrativas, ajudam a construir um Judiciário atento ao Direito e à justiça. Parabenizou a atuação dos atuais dirigentes da Justiça estadual como os desembargadores João Rebouças (presidente), Virgílio Macêdo Jr. (vice-presidente) e Amaury Moura (corregedor geral de Justiça), no sentido de fazer o TJ avançar.

Juíza convocada pela Corte, Maria Neíze Fernandes disse que hoje é dia de lembrar do trabalho que tem sido feito em favor da Justiça, no Rio Grande do Norte, durante todo esse tempo. Os desembargadores Dilermando Mota e Cornélio Alves destacaram a atuação dos magistrados e servidores atuais, lembrando também dos inativos e dos já falecidos, que ajudaram a construir a história centenária da Casa.

O procurador geral de Justiça, Eudo Leite, ressaltou que esta é uma história de mais de um século de prestação de serviços à sociedade potiguar. Na mesma linha deste papel desempenhado pelo TJRN, o presidente da Associação dos Magistrados do Rio Grande do Norte (Amarn), juiz Herval Sampaio, enfatizou que com certeza, o Tribunal de Justiça estará cada vez mais atento para prestar um serviço público com qualidade e eficiência.

Scroll to top