corregedoria.tjrn.jus.br
corregedoria.tjrn.jus.br
corregedoria.tjrn.jus.br

C.Direta. Florânia

 

O 2º Ciclo de Audiências Públicas, que integram o projeto “Conexão Direta", chegou à comarca de Florânia nessa terça-feira (22) para ouvir as sugestões, reclamações, críticas e sugestões da comunidade local para aprimorar o trabalho da Justiça estadual. A ação desenvolvida pela Corregedoria Geral de Justiça vem aproximando a Justiça da população, bem como debatendo as atividades realizadas pelo Judiciário com a população.

A audiência foi transmitida ao vivo por emissora de rádio da região. O evento aconteceu na Câmara Municipal de Florânia, com a desembargadora Zeneide Bezerra (foto) apresentando o Plano de Ações da Corregedoria para o biênio 2017/2018 e falando sobre as funções do órgão que comanda atualmente.

Para Zeneide Bezerra, o Judiciário deve dar esse retorno à sociedade, para aquela pessoa que busca a Justiça como última instância para resolver o seu conflito. “Nós temos, sim, que fazer isso. Trabalhar diuturnamente para atender aos anseios do povo. Quero dizer que o Tribunal de Justiça está junto do povo e que nos temos estes programas que nos levam para junto do povo e também trazem as pessoas para junto de nós”, afirmou.

A prefeita de Florânia, Márcia Rejane Guedes Cunha Nobre, destacou a alegria com a qual o município recebia o Programa “Conexão Direta”, cujo principal objetivo é ouvir a população. Tal ação facilita o acesso da população aos seus direitos e aproxima os poderes políticos das pessoas a quem eles destinam os seus trabalhos”, afirmou. Ela falou ainda na necessidade de se fortalecer as parcerias entre os poderes para, juntos, construírem uma sociedade justa e democrática.

C.Direta. Florânia1

 

Ouvindo a população

Ela parabenizou à desembargadora Zeneide Bezerra e toda a sua equipe pela iniciativa. “De fato, ouvir é essencial, saber ouvir é uma necessidade cada vez maior na sociedade contemporânea, (...). Ouvir é um dos atos mais nobres dos administradores públicos como responsáveis por fazer chegar até os cidadãos os bens públicos é necessário que estejam abertos aos clamores da população de modo à enxergarem suas necessidades e buscarem formas efetivas de auxiliá-los”, elogiou desejando sucesso nos trabalhos.

A juíza da Comarca de Florânia, Mônica Maria Andrade da Silva, agradeceu a equipe da Corregedoria Geral de Justiça e a todos que colaboraram para a realização da Audiência Pública. Ela fez um agradecimento especial à corregedora por estar levando este serviço a todas as comarcas do Estado, com dedicação e empenho, por meio do “Conexão Direta”.

A magistrada também fez agradecimentos ao Ministério Público, a Secretaria Judiciária e às prefeituras de Florânia, Tenente Laurentino Cruz e São Vicente, por terem cedido servidores à título de cooperação ao Poder Judiciário. Ela destacou que sua equipe tem atendido à todos os jurisdicionados e à toda a coletividade que a procura. “Àqueles que fazem parte da Corregedoria, nos aguardamos com ansiedade as orientações que serão muito bem acolhidas para melhorar os serviços da Justiça nesta Comarca de Florânia”, comentou.

C.Direta. Florânia2

 

A juíza auxiliar da Corregedoria Fátima Soares, também presente ao evento e que está fazendo Correição na Comarca, falou como está a prestação jurisdicional em Florânia. Ela parabenizou a juíza Mônica que, segundo ela, vem fazendo uma atividade jurisdicional aberta, acessível, fazendo com que a comunidade passe a ver o Judiciário com esse novo perfil de levar a Justiça para todos de uma forma objetiva e também esclarecedora.

Fátima Soares afirmou que a média de entrada de processos na comarca é de 30 a 40 por mês, considerada proporcionalmente alta. Ao final, destacou a integração da juíza local com a comunidade, assim como a organização do cartório extrajudicial.

Na audiência Pública, as autoridades responderam as indagações da população, bem como de assistentes sociais, conselheiros tutelares, advogados e representantes de ofícios extrajudiciais da região. Também estiveram presentes ao evento Marcelo Couto Meireles, promotor de justiça da Comarca de Florânia e o presidente da Subsecção da OAB em Currais Novos, advogado Rafael Diniz Andrade Cavalcante, para quem a atitude da Corregedoria é extremamente louvável.

O 1º ciclo das audiências públicas começou no dia 08 de fevereiro deste ano nas comarcas de Patu, Alexandria, Pau dos Ferros, Parnamirim e São Paulo do Potengi. Nesse 2º Ciclo, estão contempladas as comarcas de Luís Gomes, São Miguel, Martins, Umarizal, Alto do Rodrigues, Areia Branca, Upanema, Acari, Portalegre, Caraúbas, Florânia e São Gonçalo do Amarante.

Fonte: Site TJRN

Scroll to top