corregedoria.tjrn.jus.br
corregedoria.tjrn.jus.br
corregedoria.tjrn.jus.br

Mossoró

A transparência e a busca de aproximação com os atores envolvidos nas atividades judiciárias e administrativas do Poder Judiciário do Rio Grande do Norte foram destacadas durante a 1ª Reunião do Conselho Gestor do Fundo de Compensação dos Registradores Civis de Pessoais Naturais do RN, realizada na tarde dessa quarta-feira (21) pela Corregedoria Geral de Justiça (CGJ), no salão do Tribunal do Júri do Fórum Silveira Martins, em Mossoró. A reunião antecedeu o primeiro Encontro Estadual de Magistrados e Notários do Poder Judiciário do Rio Grande do Norte que acontece hoje no Teatro Municipal Dix-Huit Rosado.

A reunião serviu para que a presidente do conselho gestor, a juíza corregedora Fátima Soares, apresentasse a prestação de contas do Fundo de Compensação referente ao primeiro trimestre de 2017. Além disso, os integrantes da Corregedoria buscaram ouvir as demandas e sugestões dos notários e registradores, efetivos e interinos, presentes.

Também integram o Conselho Gestor Eliane Viana de Souza (titular do Ofício de São José de Campestre), Ranílson Maurício de Souza (titular do Ofício de Maxaranguape), e os servidores da CGJ Marcelo Maux e Ricardo Paiva Luz.

Proximidade

A corregedora geral de Justiça, desembargadora Zeneide Bezerra, destacou que todo o trabalho feito pela CGJ visa a melhoria dos serviços prestados à população e que juntos, magistrados, notários e registradores podem fazer com que o Judiciário seja muito maior. Ela ressaltou o pioneirismo da iniciativa em reunir esses atores, sendo um dos eventos integrantes dos 125 anos de criação do Tribunal de Justiça do RN.

O juiz corregedor Undário Andrade ressaltou que a aproximação com todos que auxiliam o Judiciário em sua missão jurisdicional e administrativa tem sido um norte desde o início da atual gestão da Corregedoria. “Esse ato hoje da Corregedoria em apresentar essa prestação de contas é um exercício da transparência. A sociedade não aceita mais, não silencia, quando atos e determinações são feitos intramuros. Essa aproximação e a transparência tem sido uma tônica da gestão”.

O vice-diretor do Foro de Mossoró, juiz Vagnos Kelly, parabenizou a Corregedoria pela iniciativa, apontando que há uma grande distância entre os magistrados e os notários e que muitos juízes desconhecem a realidade do funcionamento dos cartórios. Assim, avaliou que o Encontro é salutar

A presidente da Associação de Notários e Registradores do RN (Anoreg-RN), Lucivam Fontes Azevedo, destacou que a Associação encontrou na atual gestão da Corregedoria muita receptividade e atenção aos pleitos apresentados.

O servidor José Roberto Pinheiro fez uma rápida palestra de motivação focando a ética e a necessidade de seu exercício na administração pública e também pelos notários e registradores, que prestam um serviço público por meio de delegação.

Evento

“A desjudicialização e os institutos extrajudiciais” é o tema do Encontro de hoje, promovido pela CGJ e Anoreg-RN.

Lucivan Azevedo lembrou que os notários e registradores estão no dia a dia das pessoas, no balcão de atendimento, conhecendo suas necessidades. “Os cartórios viabilizam a desjudicialização de forma prática, segura e eficiente”, ressalta a juíza Fátima Soares.

O novo Código de Processo Civil trouxe a previsão de uma série de procedimentos que podem ser feitos diretamente pelos cartórios, com destaque para a mediação e a conciliação. Cartórios também estão aptos a fazer divórcios e partilhas consensuais, reconhecimento de paternidade, além de inventários e também a realização de usucapião administrativo.

Fonte: Site do TJ-RN

Scroll to top