corregedoria.tjrn.jus.br
corregedoria.tjrn.jus.br
corregedoria.tjrn.jus.br

Casamento Quintas

 

O Núcleo de Ações e Programas Socioambientais do Tribunal de Justiça do RN (Naps), em razão da comemoração dos 300 anos do bairro das Quintas, na Zona Oeste da capital, promoveu uma edição do “Justiça na Praça” na localidade na manhã desta segunda-feira (04). A população do bairro, um dos mais tradicionais de Natal, assistiu ao evento do TJRN com a oficialização da união de 90 casais e a distribuição de mudas de árvores à população, além da atuação do Procon e da OAB que realizou plantão jurídico no local.

“Desde o início, começamos a trabalhar com esse viés social, com a questão da aproximação do Judiciário, da desmistificação do Judiciário junto à população, então essas ações são levadas à praça pública onde o Judiciário com outros parceiros mostram os magistrados, os serviços e os servidores a fim de que realmente a gente possa ficar junto da população”, destacou a desembargadora Zeneide Bezerra, coordenadora do Naps.

O casamento comunitário foi o ponto alto dessa edição do Justiça na Praça, a juíza Fátima Soares foi quem realizou a cerimônia. “Sempre é uma grande satisfação celebrar o amor através de uma cerimônia civil, é uma forma do Tribunal fortalecer esse compromisso social enquanto realiza sonhos”, frisou a magistrada.

Casamento Quintas1

 

“Esse é um momento de felicidade, mas que também seja um momento de aproximação da do Judiciário com a população, algo importante para nossa democracia. Espero que ao saírem daqui vocês tenham a consciência que o Judiciário é de vocês”, apontou o presidente da OAB, Paulo Coutinho, ao parabenizar o TJRN pela iniciativa. Também compuseram a mesa o vice-presidente do TJRN, desembargador Gilson Barbosa, a juíza auxiliar da presidência, Suzana Dantas, o juiz Michel Mascarenhas, além dos coordenadores das comemorações dos 300 anos das Quintas.

Casais

Entre os 90 casais que oficializaram sua união estão Edimilson Silva e Lucinete Silva de 82 e 52 anos, respectivamente. O casal, que já passou por casamentos anteriores, se conheceu há dois anos. “Nos conhecemos em um momento de necessidade de nós dois, ficamos juntos e agora estamos realizando nesse casamento”, contou Lucinete. “Foi dádiva de Deus porque eu vivia solitário, estava enfermo e apareceu essa bênção que Deus mandou e tenho que agradecer e zelar”, falou Edimilson ao lembrar de como se conheceram.

“Foi a melhor coisa que o Tribunal poderia fazer porque muitas pessoas têm esse desejo, mas não tem condições porque temos muitos custos. Nós queríamos nos casar, mas não temos condições, só agora que soubemos e aproveitamos a oportunidade porque é mais que justo a gente ser feliz, não só a gente, mas todos que estão aqui”, destacou Lucinete.

Casamento Quintas2

 

Outro casal que aproveitou a oportunidade para celebrar o casamento foi Janiele de Oliveira e Cristiano França. Juntos há 6 anos, eles já tem uma filha e relembram como se conheceram. “A gente se conheceu no sinal, eu tinha uma moto e ele também tinha, paramos no sinal e começamos a conversar, trocamos telefone e no outro dia a gente se falou e depois começamos a namorar”, lembra Janiele. “Eu acho bem bacana essa iniciativa porque dá oportunidade para as pessoas se casarem e serem um pouco mais felizes”, destaca a noiva.

“Muitos querem casar, celebrar o seu casamento e não tem condição financeira de fazer e nós fazemos esses casamentos com bastante dignidade, com bastante sensibilidade, bastante excelência no tratamento com quem vai casar e a gente leva a alegria a cada um na hora do seu casamento”, frisa a desembargadora Zeneide Bezerra.

Os casamentos comunitários do programa Justiça na Praça são um momento de promoção da cidadania, facilitando o acesso àquelas pessoas que não têm condições de custear o processo de casamento. Enquanto os casais têm que arcar com R$ 243,00 com os trâmites de um casamento em cartório, os casamentos comunitários são gratuitos para aqueles que ganham até dois salários mínimos. Pessoas desempregadas também têm direito a gratuidade.

 

Fonte: Site TJRN

Scroll to top